Ofício de Leitura

V. Abri, Senhor, os meus lábios
R. E a minha boca anunciará o vosso louvor.

Ant. Vinde, exultemos de alegria, ao som de cânticos aclamemos o Senhor.

Salmo 94 (95)
Convite ao louvor de Deus

Exortai-vos cada dia uns aos outros,
até ao dia que se chama «Hoje» (Hebr 3, 13).

Vinde, exultemos de alegria no Senhor,
aclamemos a Deus, nosso Salvador.
Vamos à sua presença e dêmos graças,
ao som de cânticos aclamemos o Senhor. (Ant.)

Pois grande Deus é o Senhor,
Rei maior que todos os deuses.
Em sua mão estão as profundezas da terra
e pertencem-Lhe os cimos das montanhas.
D’Ele é o mar, foi Ele quem o fez,
d’Ele é a terra firme, que suas mãos formaram. (Ant.)

Vinde, prostremo-nos em terra,
adoremos o Senhor que nos criou.
Pois Ele é o nosso Deus
e nós o seu povo, ovelhas do seu rebanho. (Ant.)

Quem dera ouvísseis hoje a sua voz:
«Não endureçais os vossos corações,
como em Meriba, como no dia de Massa no deserto,
onde vossos pais Me tentaram e provocaram,
apesar de terem visto as minhas obras. (Ant.)

Durante quarenta anos essa geração Me desgostou,
e Eu disse: É um povo de coração transviado,
que não atinou com os meus caminhos.
Por isso jurei na minha ira:
Não entrarão no meu repouso». (Ant.)

Glória ao Pai e ao Filho
e ao Espírito Santo,
como era no princípio,
agora e sempre. Amen. (Ant.)

Se antes das Laudes já se disse o Ofício de Leitura, começa-se com a invocação inicial comum em todas as Horas:

V. Deus, vinde em nosso auxílio.
R. Senhor, socorrei-nos e salvai-nos.

Glória ao Pai e ao Filho
e ao Espírito Santo,
como era no princípio,
agora e sempre. Amen.

HINO

Eterno Criador do universo,
Tu que reges a noite mais o dia
E que os tempos alternas com os tempos
A fim de não haver monotonia!

Já soa a voz do arauto matutino
Que da noite profunda é sentinela
E que, da noite a noite dividindo,
Vai dando ao caminhante luz na treva.

A seu canto acordando, anjos da luz
Liberam todo o céu da escuridade,
E em coro até as almas mais escuras
Abandonam as vias do pecado.

A seu canto se anima o navegante,
Aplacam-se no mar as próprias vagas;
E lavam-se da culpa as almas crentes
Como Pedro nas lágrimas choradas.

Ergamo-nos portanto já sem medo;
O galo faz erguer quem está deitado:
Increpa brandamente os sonolentos
E rudemente acusa os renegados.

A seu canto reaviva-se a esperança,
A saúde aos enfermos já retorna;
Nova alegria a alma nos levanta
E a vida em cada peito se renova.

Senhor Jesus, protege os vacilantes,
Sustém-nos com a força dos teus olhos,
E redime com a tua vigilância
A culpa que no pranto se dissolve.

Refulgente aos sentidos, és a luz
Que vens da mente o sono dissipar-nos.
Por Ti ressoa sempre a nossa voz,
Por Ti soltam-se enfim os nossos lábios.

Louvor e glória a Deus, Pai de bondade,
Por Jesus Cristo, o Filho unigénito,
Com o Espírito Santo, aos dois igual,
Agora e pelos séculos dos séculos.

SALMODIA

Ant. 1. Saciai-nos, Senhor, desde a manhã, com a vossa bondade.

Salmo 89 (90)
Desça sobre nós a bondade do Senhor

Diante do Senhor, um dia é como mil anos
e mil anos como um dia
 (2 Pedro 3, 8).

Senhor, tendes sido o nosso refúgio, *
de geração em geração.
Antes de se formarem as montanhas †
e nascer a terra e o mundo, *
desde toda a eternidade Vós sois Deus.
Vós reduzis o homem ao pó da terra *
e dizeis: «Voltai, filhos de Adão».
Mil anos a vossos olhos *
são como o dia de ontem que passou †
e como uma vigília da noite.
Vós os arrebatais como um sonho, *
como a erva que de manhã reverdece,
de manhã floresce e viceja, *
à tarde é cortada e seca.
Sentimo-nos desfalecer com a vossa ira, *
estamos aterrados com a vossa indignação.
Colocastes as nossas culpas na vossa presença, *
o nosso íntimo à luz da vossa face.
Todos os nossos dias decorreram sob a vossa ira, *
acabámos os nossos anos como um suspiro.
Os dias da nossa vida andam pelos setenta anos *
e, se robustos, por uns oitenta:
a maior parte são trabalho e desilusão, *
passam depressa e nós partimos.
Quem avalia a força da vossa ira *
e mede o temor da vossa indignação?
Ensinai-nos a contar os nossos dias, *
para chegarmos à sabedoria do coração.
Voltai, Senhor! Até quando?… *
Tende piedade dos vossos servos.
Saciai-nos, desde a manhã, com a vossa bondade, *
para nos alegrarmos e exultarmos todos os dias.
Compensai em alegria os dias de aflição,*
os anos em que sentimos a desgraça.
Manifestai a vossa obra aos vossos servos *
e aos seus filhos a vossa majestade.
Desça sobre nós a graça do Senhor nosso Deus! *
Confirmai em nosso favor a obra das nossas mãos, †
confirmai a obra das nossas mãos.

Ant. Saciai-nos, Senhor, desde a manhã, com a vossa bondade.

Ant. 2. Louvai o Senhor, todos os confins da terra.

Cântico Is 42, 10-16
Cântico da libertação

Cantavam um cântico novo diante do trono de Deus
(Ap 14, 3).

Cantai ao Senhor um cântico novo, *
chegue o seu louvor até aos confins da terra.
Louve o Senhor o mar e tudo o que nele existe, *
louvem o Senhor as ilhas e seus habitantes.
Louve o Senhor o deserto e suas cidades, *
louvem o Senhor os acampamentos de Cédar.

Exultem de alegria os povos de Sela *
e clamem do alto das montanhas.
Dêem todos glória ao Senhor *
e proclamem nas ilhas os seus louvores.

O Senhor avança como um herói, *
como guerreiro desperta o seu ardor.
Como herói que enfrenta os seus inimigos, *
Ele faz ouvir o seu grito de guerra.

«Por muito tempo guardei silêncio, *
permaneci calado e tive paciência.
Agora, porém, gritarei como aquela que dá à luz, *
desafogarei todo o ardor do meu alento.

Vou devastar montanhas e colinas *
e farei secar toda a verdura.
Mudarei os rios em terra árida *
e farei secar todos os lagos.

Conduzirei os cegos pelo caminho que não conhecem, *
guiá-los-ei por atalhos que ignoram.
Mudarei diante deles as trevas em luz *
e as veredas pedregosas em estradas planas».

Ant. Louvai o Senhor, todos os confins da terra.

Ant. 3. Louvai o nome do Senhor, vós que estais no templo do Senhor.

Salmo 134 (135), 1-12
Louvor a Deus todo-poderoso

Povo de Deus, anunciai as perfeições
d’Aquele que vos chamou das trevas à sua luz admirável
(1 Pedro 2, 9).

Louvai o nome do Senhor, *
louvai-O, servos do Senhor,
vós que estais no templo do Senhor, *
nos átrios da casa do nosso Deus.
Louvai o Senhor, porque Ele é bom, *
cantai ao seu nome porque é suave.

O Senhor escolheu Jacob, *
Israel como sua propriedade.
Eu sei que o Senhor é grande, *
o nosso Deus é maior que todos os deuses.
Tudo quanto o Senhor quer, Ele o faz, *
no céu e na terra, no mar e nos abismos.

Faz subir as nuvens dos confins da terra, *
com os relâmpagos faz cair a chuva, †
desencadeia os ventos de suas prisões.
Feriu os primogénitos do Egipto, *
tanto dos homens como dos animais.
Fez aparecer no meio de ti, ó Egipto, sinais e prodígios, *
contra o Faraó e todos os seus servos.

Derrotou muitos povos *
e matou reis poderosos:
Sehon, rei dos Amorreus, e Og, rei de Basã, *
e todos os reinos de Canaã,
e deu a terra deles em herança, *
em herança a Israel, seu povo.

Ant. Louvai o nome do Senhor, vós que estais no templo do Senhor.

LEITURA BREVE Judite 8, 25-26a.27
Dêmos graças ao Senhor nosso Deus, que nos põe à prova como aos nossos pais. Lembrai-vos como procedeu com Abraão, como provou Isaac e o fez a Jacob. Assim como os provou pelo fogo para sondar os seus corações, também não se vinga de nós; mas é para advertir que o Senhor flagela os que d’Ele se aproximam.

RESPONSÓRIO BREVE
V. Aclamai, ó justos, o Senhor:
os rectos de coração devem louvá-l’O.
R. Aclamai, ó justos, o Senhor:
os rectos de coração devem louvá-l’O.
V. Cantai-Lhe um cântico novo.
R. Os rectos de coração devem louvá-1’O.
V. Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
R. Aclamai, ó justos, o Senhor:
os rectos de coração devem louvá-l’O.

CÂNTICO EVANGÉLICO (Benedictus) Lc 1, 68-79 

Ant. Bendito seja o Senhor, que visitou e redimiu o seu povo.

Cântico
O Messias e seu Precursor 

Bendito o Senhor Deus de Israel *
que visitou e redimiu o seu povo
e nos deu um Salvador poderoso *
na casa de David, seu servo,
conforme prometeu pela boca dos seus santos, *
os profetas dos tempos antigos,

para nos libertar dos nossos inimigos *
e das mãos daqueles que nos odeiam,
para mostrar a sua misericórdia a favor dos nossos pais, *
recordando a sua sagrada aliança
e o juramento que fizera aAbraão, nosso pai, *
que nos havia de conceder esta graça:

de O servirmos um dia, sem temor, *
livres das mãos dos nossos inimigos,
em santidade e justiça, na sua presença, *
todos os dias da nossa vida.

E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, *
porque irás à sua frente a preparar os seus caminhos,
para dar a conhecer ao seu povo a salvação *
pela remissão dos seus pecados,

graças ao coração misericordioso do nosso Deus, *
que das alturas nos visita como sol nascente,
para iluminar os que jazem nas trevas e na sombra da morte *
e dirigir os nossos passos no caminho da paz.

Glória ao Pai e ao Filho
e ao Espírito Santo, *
como era no princípio,
agora e sempre. Amen.

Ant. Bendito seja o Senhor, que visitou e redimiu o seu povo.

PRECES

Oremos a Cristo, que atende e salva os que n’Ele esperam, e aclamemo-l’O dizendo:

Nós vos louvamos, Senhor, e em Vós esperamos.

Nós Vos damos graças, Senhor, pela vossa grande misericórdia
—  e pela imensa caridade com que nos amastes.

Vós que estais sempre actuando no mundo em união com o Pai,
—  renovai todas as coisas com a virtude do Espírito Santo.

Abri os nossos olhos e aumentai a nossa fé,
—  para sabermos contemplar hoje as vossas maravilhas

Vós que nos chamais neste dia ao vosso serviço,
—  tornai-nos fiéis administradores da graça em favor dos nossos irmãos.

Pai nosso

Oração

   Senhor, nosso Deus, que confiastes a terra aos homens para que a guardassem e cultivassem, dai-nos a graça de trabalharmos neste dia para a vossa glória e para o bem dos nossos irmãos. Por Nosso Senhor.

V. O Senhor nos abençoe,
nos livre de todo o mal
e nos conduza à vida eterna.
R. Amen.